Com aumento da Selic, presidente da FCDL-MG alerta para alta nos juros do Pronampe


Aqueles que pegaram empréstimo devem ter um bom planejamento. Com juros mais altos, é preciso organizar as finanças para conseguir honrar os compromissos e não prejudicar a saúde financeira dos negócios

Em 2021, o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) trouxe condições menos vantajosas aos empresários do que as que foram praticadas em 2020. Naquela época, os empréstimos somaram R$ 37 bilhões, com uma taxa de juros de 1.25% ao ano mais Selic. Já em 2021, o valor disponibilizado foi de R$ 25 bilhões, com taxa de juros de 6% ao ano mais Selic.

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de Minas Gerais (FCDL-MG), Frank Sinatra chama a atenção para o aumento das taxas de juros, sobretudo da Selic, que atualmente está em 5,25% ao ano, com previsão de encerrar 2021 em 7% ao ano. “Diante desse cenário, aqueles que pegaram empréstimo devem ter um bom planejamento. Com juros mais altos, é preciso organizar as finanças para conseguir honrar os compromissos e não prejudicar a saúde financeira dos negócios. Essa é minha grande preocupação e meu alerta para todos”, frisa Sinatra.

Ainda segundo o dirigente, é possível que boa parte dos empresários, por enquanto, não estejam percebendo esse impacto sobre o aumento das parcelas de pagamento, já que as operações podem estar no período de carência. “Mas é importante lembrar que isso significa somente que, no período de carência, não há o pagamento das parcelas, mas o saldo devedor está sendo corrigido pela taxa de juros contratada que, no caso do Pronampe, é a Taxa Selic mais 6% ao ano”, ressalta.

Frank Sinatra também destaca que o tamanho atual do programa não foi suficiente para atender a alta demanda. Estima-se que seriam necessários cerca de R$ 200 bilhões para realmente ajudar as pequenas empresas a saírem da crise e voltarem a crescer. “Ou seja, a grande maioria segue desassistida. Além disso, muitos empresários se queixam das dificuldades para acessar os recursos”, pontua.

O presidente da FCDL-MG também chama a atenção para o fato de que, mesmo com o estímulo do Pronampe, no primeiro quadrimestre de 2021, um total de 437.787 empresas fecharam no Brasil – alta de 22,9% em relação aos quatro meses imediatamente anteriores. Na comparação com o primeiro quadrimestre de 2020, o aumento foi de 23,1%. Vale lembrar que os empréstimos são destinados, principalmente, ao pagamento de impostos (federais, estaduais e municipais), água, luz, aluguel, FGTS e fornecedores, nessa ordem.

“Reafirmo aos empresários, tenham cuidado e façam um bom planejamento. Com cautela, podemos sair dessa crise e voltar a crescer”, avalia Sinatra.

 

Melhor opção

O analista da Unidade de Articulação para o Desenvolvimento Econômico do Sebrae-Minas, Igor Martins, analisa que mesmo com a taxa de juros elevada, o Pronampe ainda é a melhor opção, uma vez que os valores são menores que os praticados em outras unidades financeiras. “É claro que o empresário deve verificar se a instituição financeira que é correntista oferece mais opções, mas o empreendedor deve avaliar o que ficará dentro do orçamento da empresa para que o endividamento não cresça ainda mais”, reforça.  
 

Igor Martins esclarece ainda que, com o aumento da taxa Selic em 5,25%, consequentemente os valores das parcelas sofrerão reajustes. Porém, nessa terceira renovação do programa, o empresário pode solicitar mais um benefício ao banco. “Caso o empresário precise de mais um fôlego ele pode ir ao banco que fez o empréstimo e solicitar o prolongamento de mais 12 meses as parcelas vencidas e as que vão vencer, até que tenham condições melhores para a realização dos pagamentos”, detalha.
 

O analista do Sebrae-Minas Igor Martins  pontua que se de todo caso o empresário tiver que escolher quais serão as contas a priorizar, escolha as que tiverem as taxas de juros mais elevadas. “Sempre negociem. Nos bancos, com fornecedores, os donos dos imóveis e aquelas contam que não tiverem jeito para negociação, mas tem alta taxa de juros, priorizem o pagamento para não ficarem supereendividados”, acrescenta.
 

O presidente da FCDL-MG reforça que apesar dos altos juros, a expectativa é de melhora no setor de comércio e serviço. A categoria espera fechar o ano de 2021 com um crescimento de 40%. Os empresários do setor contam com melhora nas vendas para o Dia das Crianças e Natal. “Peço ao empresariado mineiro que não desanimem. Vamos erguer a cabeça e superar essa dificuldade causada pela pandemia, que é a carga tributária. Nós somos a economia do País e precisamos ajudar a gerar emprego e enfrentar esse desafio”, opina.
 

*com informações do Diário do Comércio

Sistema CNDL

Av. Getúlio Vargas, 985 - Centro
Divinópolis - MG | (37) 3229-7200

Funcionamento
Segunda a sexta-feira, das 8h às 18h30.

Logo CDL Divinópolis